Turismo pós-pandemia

No período pós-pandemia as pessoas vão querer viajar mais, isso é fato. Sair de casa, onde ficaram presas por meses, será um importante respiro, um momento de alívio e descompressão. Porém, a crise econômica provocada pelo novo coronavírus impacta diretamente a vida dos brasileiros e, consequentemente, o turismo. As viagens domésticas vão funcionar como a mola para a retomada econômica e apostamos no turismo como motor de arranque assim que a pandemia estiver sob controle.
Seguindo tendências mundiais e a análise de comportamento dos viajantes, os destinos devem se mostrar seguros, criando a cultura das boas práticas, adotando políticas de segurança sanitária e outras medidas de prevenção e, mesmo após a imunização, manter o hábito da aplicação contínua dos protocolos. Apresentarem-se como cidades e países que se preocupam com o bem-estar da comunidade local e com o visitante será imprescindível. Os destinos aqui na Região das Hortênsias precisam se firmar como pontos turísticos que se preocupam com a manutenção da saúde de todos.
Pesquisa recente publicada pela Fecomércio/SP, realizada entre outubro e novembro de 2020, traz informações relevantes quanto ao perfil do novo viajante. A sondagem foi realizada em cinco países além do Brasil: México, Colômbia, Chile, Argentina e Peru. No levantamento encontramos dados pertinentes para a avaliação de quem atua no trade turístico. Para 26,94% dos entrevistados a maior preocupação ao definirem sua próxima viagem será a implementação de políticas de segurança sanitária, saúde e imunização. Outros 26,82% dizem que irão procurar por cidades não muito cheias ou pouco povoadas e 21,12% vão atentar com as políticas de flexibilidade quanto a alterações de reservas e remarcações facilitadas por parte dos empresários da hotelaria, atrativos com entrada mediante ingresso e de operadores locais.
O novo viajante traz à tona questões que estão no nosso dia a dia desde março de 2020, quando foi decretada a pandemia pela OMS. Leia-se a palavra segurança inúmeras vezes. Leia-se a utilização de protocolos sanitários. Leia-se a conscientização.
Sairão na frente os destinos nacionais que tenham focado no treinamento e na qualificação de comunidade e empresariado, fazendo com que a sociedade como um todo tenha enraizada a cultura da segurança sanitária e entenda a importância de suas ações individuais sobre o coletivo. Por outro lado, a gestão pública deve caminhar lado a lado com a iniciativa privada, dando condições para que empresas do setor desenvolvam boas práticas.
À medida em que as viagens de lazer ou de trabalho caminharem para a recuperação, o trade turístico será um componente essencial para reconquistar a confiança do viajante, restaurando a crença de que viajar é seguro. Eis um grande desafio coletivo para a Região das Hortênsias. Apenas unidos passaremos a ser referência, só que agora como protagonistas de uma retomada segura, de um cuidado ainda mais especial, do desenvolvimento econômico da Serra Gaúcha e da imagem digna de confiança no pós-Covid.

Vivian Ecker, Captadora de Eventos do Gramado Canela Convention & Visitors Bureau